Resenha X Maratona Internacional Maurício de Nassau

X Maratona Internacional Maurício de Nassau atrai público ao centro do Recife de 4h em busca do sonho de ser maratonista

O nome “maratona” em um evento já chama a atenção. Determina um peso a mais e atrai corredores de diversos estados brasileiros. No Recife temos apenas uma oficial por enquanto: a Maratona Internacional Maurício de Nassau, completando em 2019 dez edições.

Para tentar fugir do calor a organizadora do evento tomou uma decisão acertada: adiantar o horário da largada dos atleta de 42 e 21 km para às 5h. Os corredores dos 5 e 10 km, por passarem menos tempo na pista, largaram um pouco depois, às 5h40. Não eram o maior volume da prova e tiveram um clima agradável de início da manhã para percorrer o trajeto com muita água gelada em pontos de hidratação estrategicamente colocados ao longo do evento.

Locutor Nano Alves

Para animar os corredores um DJ fez uma maratona à parte com 7h de música. Ajudou a animar o staff (alguns estavam empolgadíssimo no som eletrônico dançando), os baladeiros que migraram do Palco Parador para curtir um pouco de música e os parentes e amigos se amontando ao redor da chegada para vibrar com os corredores cruzando o grande portal. Na narração dos melhores momentos da chegada e premiação tivemos o locutor Nano Alves, agitando a galera para vibrar ainda mais.

Sol forte bronzeia ou derruba os corredores

O sol continua sendo o maior inimigo dos maratonistas na capital pernambucana e seguiu firme e forte até o fim da prova. Mas quem teve como programação apertar o passo enquanto ainda não eram 8h da manhã (metade da prova) se deu bem.

O resultado a olhos vistos foi dentro do esperado de uma maratona. Alguns atletas desistiram e pegaram uma carona de ambulância, o que é louvável por ter consciência do seu corpo e dos riscos do esforço exagerado. Outros chegaram passando mal, alguns vômitos de leve na chegada e muitos depois das 6h. Esta pode ter sido uma das edições da  Maratona Internacional Maurício de Nassau com a maior quantidade de corredores após a hora limite, alguns aproximando a finalização perto do meio dia.

Hidratação não foi um problema nesta edição do evento, com muita água durante e após o final do percurso. Os corredores puderam se esbaldar em caixas de água cheias de gelo para deitar e relaxar depois de um longo percurso e segurar seu medalhão dourado de maratonista.

A cobertura completa do evento você confere por imagens em www.focoradical.com.br.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *