Correndo nas histórias das Pontes do Recife

Por: Adriane Morais (corredora)

Há certas corridas que se transformam num verdadeiro xodó para corredores de rua. A corrida das pontes no Recife é uma dessas, e, claro, no percurso completo, com 10 Km, os destaques são sete estruturas erguidas em estilos e épocas diferentes; sete conexões por sobre os rios Capibaribe e Beberibe que transformaram a Mauriceia no Recife, representando símbolos marcantes na história e no crescimento de uma cidade dividida entre o mangue e o sal.

E a primeira ponte a testar os participantes é a Ponte do Limoeiro. Inaugurada em 1881 para dar passagem a trens, já que o que bombava à época era o transporte ferroviário do açúcar entre o Recife e a cidade de Limoeiro. A estrutura não é a mesma de antes, arquea-se sobre o rio Beberibe, une o bairro do Brum ao de Santo Amaro e a Rua Cais do Apolo à Avenida Norte. Ao passar por esse trecho, sinta a vibração da energia de uma cidade que triunfou da água doce, pois fará toda a diferença. Ah! Aproveita e dá uma paquerada em Olinda.

Simbora para a segunda ponte! Princesa Isabel. Inaugurada em 1863. Diz-se que foi a primeira ponte de ferro da cidade. Em 1913, reconstruída e depois, diante das enchentes do rio Capibaribe, reestruturada, em 1967. Apesar de ser conhecida pelo nome Princesa Isabel, há controvérsias, gerando certa crise de identidade, pois alguns historiadores afirmam ser Santa Isabel e outros, Pedro II. Aqui sua respiração pode ficar abalada, mas mantenha o corpo ereto e suavize o movimento na paisagem.

Em seguida, Ponte Buarque de Macedo, a terceira. Lá nos idos 1882, foi construída em madeira, mas apenas inaugurada em 1890. Em 1922, foi reconstruída em concreto armado para, em 1923, ser reinaugurada. No seu nome, a homenagem a um político e engenheiro pernambucano, Manuel Buarque de Macedo. Dobra-se sobre a junção dos rios Capibaribe e Beberibe, ligando a Avenida Rio Branco à Praça da República. Não sei se as pernas estão identificando, mas essa é a ponte mais extensa da cidade…uuuii!. O cansaço começa a querer chamar mais atenção do que as pontes, né? Deixe não! Não esquece a hidratação, e segue, que tem mais!

 

Eis que se apresenta a Ponte Maurício de Nassau, a quarta. Lá nos idos 1643, ainda cidade Maurícia, arqueava-se a primeira ponte de madeira sobre o rio Capibaribe, Ponte do Recife. Com o tempo, várias reformas foram realizadas. Em 1865, a estrutura foi substituída por uma de ferro e o nome foi alterado para Ponte 7 de Setembro. Mas sabe como é…a maresia logo, logo deu por vencido o ferro, deteriorando-a de ponta a ponta. Em 1917, foi reconstruída, agora a base de concreto armado e reinaugurada como Ponte Maurício de Nassau, mantendo-se em forma até hoje. Nos extremos, quatro estátuas de bronze se destacam, duas apontando para o bairro de Santo Antônio, o deus Mercúrio (comércio) e a deusa Themis (Justiça), e duas, para o bairro do Recife Antigo, as deusas Minerva (sabedoria) e Ceres (agricultura). E a poesia também tem seu representante imortalizado, cravado e recostado ao balaústre dos arcos que cercam tal estrutura, numa escultura em concreto armado polido, Joaquim Cardozo, que além de poeta era engenheiro civil, e trabalhou com Oscar Niemeyer em importantes construções de Brasília. Chegou até aqui?! Agora é manter o que pode e seguir com o poeta e com os deuses e deusas, consciente de que sob o impulso dos seus esforços muitos sonhos foram materializados!

A da vez, a quinta, Ponte Duarte Coelho. Construída em 1868, toda em estrutura metálica. Viabilizava o transporte ferroviário, as linhas de bonde a vapor, conhecidas como maxambombas. Lá em 1915, a ponte foi desativada diante do desgaste do tempo e vendida ao ferro velho. Demorou um pouquinho, e em 1943, a ponte ressurge, dessa vez em concreto armado, mantendo a forma até os dias atuais. É considerada uma das pontes mais belas da Cidade, curvada sobre o rio Capibaribe. Liga os bairros da Boa Vista e Santo Antônio, e a Avenida Conde da Boa Vista à Avenida Guararapes. Uuuiaa! Tá faltando pouco. Solte-se na endorfina e na adrenalina, recrie o Galo da Madrugada nas passadas dos próximos Km. Vai que já deu!

Chegando na Ponte Boa Vista, a sexta. Essa foi a segunda ponte a ser construída na cidade, ainda sob as ordens de Maurício de Nassau, nos idos 1643, em sete semanas e em madeira resistente. O local de origem era diferente do atual, ligando os bairros da Boa Vista ao de Santo Antônio, nos trechos envolvendo onde hoje se encontra o convento do Carmo até a Casa da Cultura. Entre os anos de 1737 a 1746, a ponte foi reconstruída, ainda a base de madeira, assumindo o posicionamento atual, entre a Rua Nova, no bairro de Santo Antônio, e a Rua da Imperatriz, na Boa Vista. Com o tempo e após diversos reparos, em 1815, a estrutura recebeu grades de ferro, calçamento com seixos, trazidos da Ilha de Fernando de Noronha, varandas de cada lado onde foram instalados bancos de madeira que, à época causaram o maior frisson, pois a paquera rolava solta, assim como as fofocas, causos urbanos e poesias. Em 1874, a ponte foi reconstruída, dessa vez toda em ferro batido e os famosos bancos foram excluídos. A inauguração ocorreu em 1876, assumindo um desenho semelhante ao de uma ponte em Paris, a Ponte Nova. Nas pilastras, há inscrições que registram datas e fatos históricos relevantes de Pernambuco e do Brasil, vale a pena conferir. Entre os anos de 1965 e 1966, diante das enchentes do rio Capibaribe, a ponte foi restaurada, em 1967, no que teve a sua estrutura descaracterizada, com passarelas alargadas e os pilares concretados. Ufa!!! Coração a mil, histórias acumuladas no cansaço e nas passadas, rumo à última ponte.

A derradeira, a Ponte Giratória. A sua construção em ferro foi determinada em 1920, diante da modernização do porto do Recife, está arqueada na embocadura dos rios Capibaribe e Beberibe e liga a Avenida Alfredo Lisboa/Cais da Alfândega à Avenida Sul/Cais de Santa Rita. Assumiu um modelo rodo-ferroviário de vão central giratório, a fim de favorecer a passagem das embarcações veleiras e, ao mesmo tempo, permitir o transporte ferroviário que transitava no porto. Foi inaugurada em 1923, e quando a engrenagem lhe dava o giro, abria-se caminho ao transporte marítimo. Antes do movimento ocorrer, soava uma sirene que, apesar de estridente, não foi suficiente, à época, para evitar os vários registros de acidentes…e da ponte caíam carros e caíam caminhões. Bem! Com o crescimento do transporte rodoviário, o tráfego de embarcações foi diminuindo, e a função da ponte foi caindo em desuso, motivo pelo qual foi desmontada e em seu lugar cravaram uma outra, mais ampla e em cimento armado, inaugurada em 1971, recebendo o nome de Ponte 12 de setembro, data que prestigiava as reformas ocorridas no porto. Bem! Apesar da boa intenção com o novo nome, não tinha recifense que o absorvesse, e diante desse fato, a Prefeitura da Cidade do Recife abriu mão da mudança, cedendo à denominação de Antiga Ponte Giratória.  Vai…abre os braços…e respira fundo!!!

Huhuhu!!!! Olha você aqui…já pensou? Viu quanta história o acompanhou? Viu o quanto esses rios nos estimularam/desafiaram e nos estimulam/desafiam? Dos questionamentos anseio para que consigamos dar a devida e real importância às águas doces dos sangrados guerreiros Beberibe e Capibaribe por tempos sem fim. Olha! Faltam alguns poucos KM, mas daqui até o Forte do Brum, você é a ponte surpresa para a reta final. Reconstrua-se, reinaugure-se no respirar e em cada movimento!

drica-carpediem.blogspot.com

endorfinado

Pernambucano, Bel. Economia, Maratonista, Condutor tocha Olímpica 2016, Fotógrafo esportivo, Eventos e Turismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *